Rabdomiólise

Atualizado: 11 de Nov de 2019

PROTOCOLO RABDOMIÓLISE

Definição :

Síndrome caracterizada por necrose muscular com liberação de conteúdo intracelular na

Circulação


Diagnóstico :

CK elevada + Mialgia + Mioglobinúria

Tríade Clássica : Mialgia + Fraqueza Muscular + Urina escurecida

Edema na perna infrequente na admissão, pois ocorre depois com a retenção de fluídos

Urina escura apenas em 50% dos casos. CPK na admissão é frequentemente 5x o valor normal (Podendo chegar até 1500 - 100.000). Aumenta com 2 a 12 horas após a lesão e atinge o pico em 24-72 horas.


Colher CPK em todos pacientes de Politrauma que apresentem mialgia (Trauma Muscular) na admissão e repetir o exame em 24h.


Critérios Inclusão

- Politrauma Moderados e Grave

- Trauma Ortopedia

Critérios Exclusão

- TCE isolado

- Politrauma leve


Diagnóstico Laboratorial :

Rabdomiólise = CPK 5x o valor normal do método utilizado


Inclusão no Protocolo de tratamento de Rabdomiólise CPK > 5000

Após inclusão solicitar ECG

CPK na admissão e diariamente, K diário


Tratamento :


CPK < 5000

Corrigir Hipovolemia. Para CPK < 5000. Risco de insuficiência renal é baixo. Não existe protocolo . Faz-se a reposição volemica padrão de acordo com a necessidade


CPK > 5000 (Abrir protocolo de rabdomiólise)

Solicitar Vaga de UTI

Exames :

· ECG na admissão e após se necessário

· K na admissão e após diariamente (em caso de hipocalemia grave coletar de 6/6h)

· CPK de 12/12h nas primeiras 48h e após diariamente até normalização do valor

Reposição volêmica :

· 2 Litros Soro na primeira hora (SRL Politrauma excluindo Crânio, SF0,9% Lesão Neurológica)

· Após a primeira hora, ajustar infusão do soro necessário para diurese 200 ml/h

· Manter hidratação por no mínimo 24h, suspender após 24h após 2 valores de CPK < 5000 com intervalo mínimo de 12h

· Contra indicação a reposição volêmica (Insuficiência cardíaca, Insuficiência Renal Crônica). Suspender em qualquer paciente com sinais francos de congestão e hipervolemia


Diurético :

· Não usar de rotina, para provocar diurese

· Pode ser utilizado como resgate, quando a expansão volêmica provoca hipervolemia e o paciente persiste com diurese baixa


Bicarbonato (Não há evidência de superioridade a reposição com soro)

· Montar solução com Bicarbonato 150 ml + 850 ml (AD ou SG5%)

· Correr a 200 ml/h

· Manter PH urinário > 6,5

· Suspender em 4 horas, caso não atinja PH urinário > 6,5.

· Manter até que a CPK < 5000, caso o PH urinário tenha atingido > 6,5 nas primeiras 4h

· Contraindicado se PH sérico > 7,5 , BIC sérico > 30 e Hipocalcemia prévia

Não tem evidência e pode provocar deposição de cálcio devido a alcalinização do plasma, induzindo ou piorando a hipocalcemia podendo provocar convulsões, arritmias e contração muscular severa. (Tem que monitorizar fosfóro)


Manitol :

· Não usar, tem pouco beneficio comprovado acima de CPK > 30000. Manejo difícil podendo levar a hipovolemia


Hemodialise :

· Não altera evolução da doença. Solicitar apenas nas indicações formais ao método.

53 visualizações